SIBSIB

WP_Query Object ( [query_vars] => Array ( [tag] => daniel-bueno [error] => [m] => [p] => 0 [post_parent] => [subpost] => [subpost_id] => [attachment] => [attachment_id] => 0 [name] => [static] => [pagename] => [page_id] => 0 [second] => [minute] => [hour] => [day] => 0 [monthnum] => 0 [year] => 0 [w] => 0 [category_name] => [cat] => [tag_id] => 52 [author] => [author_name] => [feed] => [tb] => [paged] => 0 [comments_popup] => [meta_key] => [meta_value] => [preview] => [s] => [sentence] => [fields] => [menu_order] => [category__in] => Array ( ) [category__not_in] => Array ( ) [category__and] => Array ( ) [post__in] => Array ( ) [post__not_in] => Array ( ) [tag__in] => Array ( ) [tag__not_in] => Array ( ) [tag__and] => Array ( ) [tag_slug__in] => Array ( [0] => daniel-bueno ) [tag_slug__and] => Array ( ) [post_parent__in] => Array ( ) [post_parent__not_in] => Array ( ) [author__in] => Array ( ) [author__not_in] => Array ( ) [ignore_sticky_posts] => [suppress_filters] => [cache_results] => 1 [update_post_term_cache] => 1 [update_post_meta_cache] => 1 [post_type] => [posts_per_page] => 6 [nopaging] => [comments_per_page] => 50 [no_found_rows] => [order] => DESC ) [tax_query] => WP_Tax_Query Object ( [queries] => Array ( [0] => Array ( [taxonomy] => post_tag [terms] => Array ( [0] => daniel-bueno ) [include_children] => 1 [field] => slug [operator] => IN ) ) [relation] => AND ) [meta_query] => WP_Meta_Query Object ( [queries] => Array ( ) [relation] => ) [date_query] => [post_count] => 6 [current_post] => -1 [in_the_loop] => [comment_count] => 0 [current_comment] => -1 [found_posts] => 11 [max_num_pages] => 2 [max_num_comment_pages] => 0 [is_single] => [is_preview] => [is_page] => [is_archive] => 1 [is_date] => [is_year] => [is_month] => [is_day] => [is_time] => [is_author] => [is_category] => [is_tag] => 1 [is_tax] => [is_search] => [is_feed] => [is_comment_feed] => [is_trackback] => [is_home] => [is_404] => [is_comments_popup] => [is_paged] => [is_admin] => [is_attachment] => [is_singular] => [is_robots] => [is_posts_page] => [is_post_type_archive] => [query_vars_hash] => b0257451fc0cb0add7b2d459acaf5fa0 [query_vars_changed] => [thumbnails_cached] => [stopwords:private] => [query] => Array ( [tag] => daniel-bueno ) [queried_object] => stdClass Object ( [term_id] => 52 [name] => Daniel Bueno [slug] => daniel-bueno [term_group] => 0 [term_taxonomy_id] => 54 [taxonomy] => post_tag [description] => [parent] => 0 [count] => 11 [filter] => raw ) [queried_object_id] => 52 [request] => SELECT SQL_CALC_FOUND_ROWS sib_posts.ID FROM sib_posts INNER JOIN sib_term_relationships ON (sib_posts.ID = sib_term_relationships.object_id) WHERE 1=1 AND ( sib_term_relationships.term_taxonomy_id IN (54) ) AND sib_posts.post_type = 'post' AND (sib_posts.post_status = 'publish') GROUP BY sib_posts.ID ORDER BY sib_posts.post_date DESC LIMIT 0, 6 [posts] => Array ( [0] => WP_Post Object ( [ID] => 7864 [post_author] => 20 [post_date] => 2015-05-12 02:52:08 [post_date_gmt] => 2015-05-12 05:52:08 [post_content] => BUENO-CURSO
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ O QUE: Curso sobre a crônica gráfica de Saul Steinberg, por Daniel Bueno QUANDO: 19 e 26 de maio; 2 e 9 de junho (terças, das 20h00 às 22h00) ONDE:  
Centro Universitário Maria Antonia USP rua maria antonia 258 e 294 · vila buarque são paulo · sp · 01222 010 · 11 3123 5200
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Daniel Bueno (1974) é ilustrador, artista gráfico e quadrinista, formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Recebeu vários prêmios como a Menção Honrosa na Feira do Livro Infantil de Bolonha (Itália, 2011) e o Prêmio Jabuti. Em 2007 concluiu sua dissertação de mestrado sobre Saul Steinberg na Universidade de São Paulo. http://www.buenozine.com.br

[post_title] => A crônica gráfica de Saul Steinberg [post_excerpt] => O associado da SIB Daniel Bueno ministra curso sobre as fases do desenho de Steinberg, em maio e junho, no Centro Cultural Maria Antonia, em São Paulo, SP. [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => a-cronica-grafica-de-saul-steinberg [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2015-05-12 03:01:01 [post_modified_gmt] => 2015-05-12 06:01:01 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=7864 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [1] => WP_Post Object ( [ID] => 5319 [post_author] => 20 [post_date] => 2014-09-09 20:53:25 [post_date_gmt] => 2014-09-09 23:53:25 [post_content] =>

Foi divulgada a lista dos ilustradores latino-americanos selecionados para a exposição e catálogo impresso da 3ª edição do Latin American IlustraciónA mostra expositiva e o respectivo catálogo são organizados pelas AI-AP: American Illustration - American Photography. Da atual seleção participam vários ilustradores brasileiros, entre os quais os associados da SIB Daniel Bueno, Kako e Walter Vasconcelos. No mês de novembro está programado um evento coletivo em Nova York – The PARTY  que reunirá os 48 trabalhos selecionados para o Latin American Ilustración 3 e os demais anuários da AI-AP, o simpósio BIG TALK e a mostra itinerante – LOS DIEZ  com as 10 ilustrações vencedoras.

© Daniel Bueno "Comics based in a fragment of Andrei Bely's Petersburg. The style was inspired in the modern shapes of the vanguards of the last century."
walter
© Walter Vasconcelos
"This is a copilation of personal drawings that I have been publishing in my blog." 
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
KAKO
© Kako
"Eric Clapton Poster for Brazilian Guitar Player Magazine A guitar plays more than Music, it plays History campaign." 
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
[post_title] => Latin American Ilustración 3 [post_excerpt] => Os associados da SIB Daniel Bueno, Kako e Walter Vasconcelos, entre outros brasileiros, selecionados pelo AI-AP: American Illustration - American Photography 2014. [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => latin-american-ilustracion-3 [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2014-09-09 21:09:03 [post_modified_gmt] => 2014-09-10 00:09:03 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=5319 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [2] => WP_Post Object ( [ID] => 4395 [post_author] => 20 [post_date] => 2014-07-02 22:08:37 [post_date_gmt] => 2014-07-03 01:08:37 [post_content] => thumb

Na charmosa International Children’s Bookshop Mundo Azul (Berlim, Alemanha), nesta quinta-feira, 02/07, acontece a abertura da mostra expositiva “Acrobratas das formas”, que reúne obras dos artistas brasileiros Andrés Sandoval, Mariana Zanetti, Silvia Amstalden, e dos associados da SIB Daniel Bueno, Fabio Zimbres e Laura Teixeira.

Serão expostos cartazes e originais – em geral, ilustrações de livros infantis – e livros dos artistas.

Todas as peças estarão à venda. Mais algumas informações no Garatujas Fantásticas.

[caption id="attachment_4410" align="aligncenter" width="634"]Ilustração de Daniel Bueno Ilustração de Daniel Bueno[/caption] __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ O QUE:  "Acrobatas das formas" (Exposição coletiva com obras de Andrés Sandoval, Daniel Bueno, Fabio Zimbres, Laura Teixeira, Mariana Zanetti e Silvia Amstalden) QUANDO: 3 de julho a 31 de Agosto de 2014 ONDE: International Children’s Bookshop Mundo Azul                  Choriner Str49, 10435, Berlin, Alemanha   [post_title] => Acrobatas das formas [post_excerpt] => Exposição coletiva de ilustradores brasileiros, de 03/07 a 31/08/2014, na International Children’s Bookshop Mundo Azul, em Berlim, Alemanha. [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => acrobratas-das-formas [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2014-07-16 21:00:15 [post_modified_gmt] => 2014-07-17 00:00:15 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=4395 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [3] => WP_Post Object ( [ID] => 4367 [post_author] => 3 [post_date] => 2014-07-01 20:59:22 [post_date_gmt] => 2014-07-01 23:59:22 [post_content] => [caption id="attachment_4368" align="alignnone" width="527"]Trabalho de Covarrubias: caricatura de Frank Conroy e Ethel Barrymore, The New Yorker, 1926. Trabalho de Covarrubias: caricatura de Frank Conroy e Ethel Barrymore, The New Yorker, 1926.[/caption]

Conheci o trabalho do mexicano Miguel Covarrubias e do paraguaio Andrés Guevara por volta de 2007, quando minhas ilustrações já tinham um estilo definido, caracterizado pelas formas geométricas, colagem e texturas. Foi durante a pesquisa da minha dissertação de mestrado sobre o trabalho de Saul Steinberg que encontrei os desenhos de Covarrubias nas páginas das primeiras edições da revista The New Yorker, e as caricaturas de Guevara em alguns livros sobre o assunto, como o “História da Caricatura no Brasil” de Herman Lima. Ambas obras – assim como a do italiano Paolo Garretto – chamaram minha atenção pelo impacto e força das formas depuradas. O acabamento, com sombreamento de modo a realçar a volumetria dos elementos sintéticos, lembrava até certo ponto minhas colagens, em que peças soltas eram pintadas com tinta acrílica.

[caption id="attachment_4369" align="alignnone" width="212"]Caricatura de Covarrubias para a edição de estréia da The New Yorker, 1925. Caricatura de Covarrubias para a edição de estréia da The New Yorker, 1925.[/caption] [caption id="attachment_4374" align="alignnone" width="209"]Desenho do livro “Método de dibujo. Tradición, resurgimiento y evolución del arte mexicano”, com ilustrações que podem ser de Covarrubias ou de Adolfo Best Maugard, 1923. Desenho do livro “Método de dibujo. Tradición, resurgimiento y evolución del arte mexicano”, com ilustrações que podem ser de Covarrubias ou de Adolfo Best Maugard, 1923.[/caption] 5b

Passei a investigar cada vez mais a produção desses artistas, impressionado pela mestria com que resolviam a composição, e por suas escolhas na hora de trabalhar as formas. Além disso, era interessante observar como esse estilo era atual: as capas do artista mexicano, por exemplo, poderiam ser impressas hoje numa revista sem causar qualquer estranhamento.

[caption id="attachment_4371" align="alignnone" width="231"]Miguel Covarrubias: caricatura de Paul Whiteman, 1924. Miguel Covarrubias: caricatura de Paul Whiteman, 1924.[/caption]

Foi curioso vislumbrar pela primeira vez esses desenhos com contornos geométricos, pois parecia que esses artistas tinham sido muito importantes na formação do meu estilo, quando na verdade só chegaram ao meu conhecimento tardiamente. Imagino que isso ocorra com alguma freqüência com outros ilustradores também. Não deixa de ser um prazer especial encontrar referências tão significativas no meio do caminho. Surge uma certa sensação de cumplicidade, através da percepção de tantas afinidades, de interesses e buscas comuns.

[caption id="attachment_4376" align="alignnone" width="227"]Miguel Covarrubias: “Black woman”, 1927. Miguel Covarrubias: “Black woman”, 1927.[/caption] [caption id="attachment_4377" align="alignnone" width="300"]Covarrubias: caricatura de Van Vechten publicada no livro “Meaning No Offense”, 1928. Covarrubias: caricatura de Van Vechten publicada no livro “Meaning No Offense”, 1928.[/caption]

Como se não bastasse a qualidade e expressividade dos desenhos de Covarrubias e Guevara, com o tempo percebi que ambos haviam sido também pioneiros em dois grandes países do continente americano. Estados Unidos e Brasil receberam, curiosamente no mesmo ano de 1923, artistas importantes por disseminar a caricatura e ilustração com influência cubista nos seus novos mercados editoriais: enquanto o mexicano Covarrubias foi para Nova York, o caricaturista paraguaio Guevara, com 19 anos, chegou ao Rio de Janeiro. Miguel foi importante para o estilo de Al Hirschfeld, Jim Flora e outros; e Andrés influenciou Théo, Nássara, Augusto Rodrigues, Alvarus, e até J. Carlos.

[caption id="attachment_4382" align="alignnone" width="394"]Andrés Guevara: caricatura de Prado Júnior para a capa Andrés Guevara: caricatura de Prado Júnior para a capa[/caption]

Há tempos que queria escrever algo sobre os dois desenhistas. Foi muito oportuno, portanto, o convite feito pela tradutora Maria Aparecida Barbosa, professora doutora de Literatura na Universidade Federal de Santa Catarina, para escrever para a seção temática sobre imagens do Anuário de Literatura da UFSC. Além do artigo, fiz também a capa dessa edição da publicação científica lançada no começo de julho. Os interessados no assunto podem conferir o texto “Miguel Covarrubias e Andrés Guevara: a influência do Cubismo na ilustração editorial do início do século XX” aqui.

[caption id="attachment_4385" align="alignnone" width="354"]Andrés Guevara: caricatura de Sergei Voronov, 1928. Andrés Guevara: caricatura de Sergei Voronov, 1928.[/caption] ________________________________________________________________________________________________________________________________

Daniel Bueno (1974) é ilustrador, artista gráfico e quadrinista, formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Recebeu vários prêmios como a Menção Honrosa na Feira do Livro Infantil de Bolonha (Itália, 2011) e o Prêmio Jabuti. Em 2007 concluiu sua dissertação de mestrado sobre Saul Steinberg na Universidade de São Paulo. http://www.buenozine.com.br

[post_title] => Miguel Covarrubias e Andrés Guevara: o cubismo na ilustração [post_excerpt] => [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => miguel-covarrubias-e-andres-guevara-o-cubismo-na-ilustracao [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2014-07-01 21:07:32 [post_modified_gmt] => 2014-07-02 00:07:32 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=4367 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [4] => WP_Post Object ( [ID] => 3360 [post_author] => 3 [post_date] => 2014-04-02 00:38:06 [post_date_gmt] => 2014-04-02 03:38:06 [post_content] => [caption id="attachment_3363" align="alignnone" width="600"]Manassas, Virginia (1978) Manassas, Virginia (1978)[/caption]

Em 1973 o artista Saul Steinberg passa a criar com freqüência desenhos de temática urbana para a The New Yorker, ao mesmo tempo em que retoma na revista os “portfólios”. O agrupamento de desenhos, publicados em seqüência de páginas totalmente dedicadas ao artista, haviam sido comuns em seu começo de carreira na importante revista americana, como os relatórios de guerra. Depois de 1945, tornaram-se esporádicos, como nos trabalhos “The Coast”, de 1952. Os ensaios com sons gráficos, publicados em fevereiro de 1955, e o portfólio sobre a viagem à Samarcanda, de 1956, rompem um longo período em que os desenhos de Steinberg ficaram confinados quase que estritamente ao espaço para pequenos cartuns e vinhetas. A partir de então, essas páginas com dois ou mais desenhos viriam a ser freqüentes, como as seqüência com interrogações objetualizadas (1961), os números como objetos (1962), a seqüência de seis páginas com carimbos (1966), as ruas de Nova York (1968), as brincadeiras com o significado de palavras-objeto (1969), dentre outras. De 1973 em diante, praticamente todos os seus trabalhos na New Yorker viriam a ser publicados no formato portfólio, com exceção de ilustrações para artigos. Seriam privilegiados, em significativa parcela, os desenhos sobre a cidade e arquitetura. Alguns períodos sem publicação de trabalhos ocorreriam, um deles significativo, entre 1985 e 1990.

[caption id="attachment_3361" align="alignnone" width="410"]Steinberg com seu gato Papoose e inúmeros desenhos na parede. Casa e estúdio em Amagansett, 1974 Steinberg com seu gato Papoose e inúmeros desenhos na parede. Casa e estúdio em Amagansett, 1974[/caption] [caption id="attachment_3367" align="alignnone" width="201"]"Street War" (1972-74) "Street War" (1972-74)[/caption]

De modo geral, os portfólios apresentavam uma subdivisão de página em duas partes, seguindo o procedimento de escolher desenhos pregados na parede, aos pares. Estes trabalhos, muitos deles sobre cidades, mostravam vertentes e pesquisas variadas, e eram todos feitos originalmente a cores, mesmo que fossem ser impressos em preto e branco - o que durou até 1989. Era um formato que induzia Steinberg a escolher um tema e selecionar imagens de acordo com interesses diversos: gráficos, de composição e correlação de ideias. O desenho, nessa situação, acaba não sendo lido de modo isolado, sendo compreendido também dentro do contexto da página. Àquela altura leitor de quadrinhos underground, Steinberg criava, ao seu modo, narrativas desconexas com quadros. Tal processo de trabalho, sem o planejamento prévio e meticuloso da totalidade da página, provavelmente conferia uma agradável liberdade ao artista, que podia deixar a resolução do conjunto para o final. Havia também o exercício particular de edição, ou seja, o de experimentar soluções a partir de inúmeros elementos à mostra – e de refletir sobre os resultados mais interessantes tendo em conta as inúmeras possibilidades de combinação. Steinberg chamava esses trabalhos de cadavres exquis (Cadáver Esquisito), nome conferido ao método criativo praticado pelos Surrealistas em que os participantes passam de mão em mão um papel dobrado, adicionando um desenho ou poema que é revelado em sua totalidade apenas quando a página está completa.

[caption id="attachment_3371" align="alignnone" width="210"]Página com desenhos urbanos de 1973 Página com desenhos urbanos de 1973[/caption]

Alguns dos portfólios apresentam os desenhos de ambientes urbanos violentos e degradados que Steinberg desenvolveu com vigor durante os anos 1970: cenários povoados por personagens de tribos e grupos urbanos das metrópoles, caracterizados por estilos inusitados do universo pop, da mass media, dos quadrinhos, etc. Mas as abordagens não se resumem à Nova York daquela década. Portfólios como “Itália – 1938” (1974), e “Primos” (1979) promoviam uma volta ao passado imersa em lembranças remotas, referências estilísticas e elementos surreais. Nas cenas italianas, soldados desfilam tendo ao fundo pesadas construções fascistas e obras cubistas valorizadas pela Regio Politecnico. Na primeira página de “Itália”, aparece um solitário Bar Grillo – sobre o qual Steinberg chegou a morar, em Milão. Em “Primos”, Steinberg tira proveito de seu olhar atento dos tempos da infância, para mesclar suas lembranças da Romênia às experiências com estilos, desenvolvendo caricaturas de fotografias e seus personagens.

[caption id="attachment_3372" align="alignnone" width="207"]"Itália – 1938" (1974) "Itália – 1938" (1974)[/caption] [caption id="attachment_3373" align="alignnone" width="213"]"Primos" (1979) "Primos" (1979)[/caption]

Também são muito freqüentes os postcards: portfólios com dois “cartões-postais” por página, cada qual referente a um lugar. São obras que costumam exibir um desenho mais preciso no delineamento retilíneo de ruas e construções, e no sombreamento que os aproximam da realidade. De aparência sóbria, sugerem a visão oficialesca da cidade, mescladas a clichés e estilos que geram estranheza e humor. No cartão da cidade de Colton, presente na série publicada em 1978, um olhar atento pode perceber que as pequenas silhuetas que caminham pela cidade são de seres cartunizados, de ratos, pássaros. Abaixo, na imagem de Henderson, o céu escuro e a lua cheia conferem um tom surreal a uma típica e padronizada ruazinha de cidade americana. Enquadramentos de lugares das cidades, semelhantes aos cartões-postais, seguiriam sendo produzidos na revista. Em “Country Traffic” (1980) é potencializada a exploração de estilos e clichês, que passam a povoar o que seriam visões austeras de construções e ruas.

[caption id="attachment_3374" align="alignnone" width="216"]Cartões-postais de Counton e Henderson Cartões-postais de Colton e Henderson[/caption] [caption id="attachment_3375" align="alignnone" width="214"]"Country Traffic" (1980) "Country Traffic" (1980)[/caption]

Em outras vertentes, a atenção à arquitetura fica explícita nos títulos: “Arquitetura – Habitação” (1983), “Arquitetura – Villas”, (1983). Nesta última, a peculiaridade de cada diferente construção é evidenciada pelo próprio estilo empregado para desenhá-la. Já em "Habitação", conjuntos de edifícios, cujos habitantes minúsculos conferem ao ambiente a impressão de lugares desabitados, traduzem a visão esquemática presente na construção da cidade.

[caption id="attachment_3379" align="alignnone" width="216"]"Arquitetura – Habitação" (1983) "Arquitetura – Habitação" (1983)[/caption] Arquitetura – Villas (1983)

Trabalhos com anotações e legendas também viriam a compor os portfólios sobre a cidade, como em “Manhattan” (1994). As frases reforçam, em muitos casos, o humor de Steinberg e o absurdo captado na reflexão daquilo que o artista observa. Algumas de suas anotações seriam agrupadas em certos trabalhos, com a arquitetura sendo deixada de lado: em “Notebook”, sua experiência com o Zen Budismo, uma conversa sobre arte e carpintaria, ou mesmo o comportamento de um gato passam a ser o foco para divagações, que levam muitas vezes seu pensamento de volta aos temas de sua obra.

[caption id="attachment_3382" align="alignnone" width="209"]"Manhattan" (1994) "Manhattan" (1994)[/caption]

Nesta fase, além dos cartões-postais e trabalhos sobre a cidade, os portfólios também se voltariam algumas vezes para outras explorações, nos jogos entre palavras e expressões gráficas de “Body English”, “Directions”, e “Inventory”, criadas nos anos 1980. A divisão das páginas destes trabalhos em quadrinhos mostrava que Steinberg nutria interesse por esse tipo de estruturação da página, capaz de promover diálogos entre os desenhos de modo a reforçar uma ideia e evidenciar suas possibilidades e desdobramentos.

[caption id="attachment_3384" align="alignnone" width="431"]"12 Variations" (anos 80) "12 Variations" (anos 80)[/caption]

________________________________________________________________________________________________________________________________ Daniel Bueno (1974) é ilustrador, artista gráfico e quadrinista, formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Recebeu vários prêmios como a Menção Honrosa na Feira do Livro Infantil de Bolonha (Itália, 2011) e o Prêmio Jabuti. Em 2007 concluiu sua dissertação de mestrado sobre Saul Steinberg na Universidade de São Paulo.

[post_title] => Steinberg: os portfólios na New Yorker [post_excerpt] => Inspirados "portfólios" urbanos, feitos para a revista New Yorker. Deliciem-se! [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => steinberg-os-portfolios-na-new-yorker [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2014-04-02 00:48:58 [post_modified_gmt] => 2014-04-02 03:48:58 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=3360 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [5] => WP_Post Object ( [ID] => 2933 [post_author] => 3 [post_date] => 2014-02-12 23:01:01 [post_date_gmt] => 2014-02-13 01:01:01 [post_content] =>

O artista Saul Steinberg, tão conhecido pelos desenhos e cartuns para a revista The New Yorker, fez alguns significativos murais ao longo de sua carreira. Sua produção foi especialmente intensa entre 1947 e 1949, com quatro murais criados. O artista gráfico, acostumado a resolver trabalhos dentro das proporções e modo de produção das revistas, teve que enfrentar desafios e encontrar novas soluções técnicas para escalas maiores, compensando a pouca experiência com sua inventividade. A primeira encomenda veio em 1947, quando desenhou uma cena eqüestre de Central Park no sétimo andar da loja de departamentos do Bonwit Teller em Nova York. O desenho original foi feito na escala habitual, na metade de um papel de desenho Strathmore, e foi preciso um “exército de hooligans” – nos dizeres de Steinberg - para passá-lo ao tamanho final.

[caption id="attachment_2934" align="alignnone" width="473"]Saul Steinberg no estúdio de Gjon Milli, trabalhando no mural do hotel Terrace Plaza em Cincinnati Saul Steinberg no estúdio de Gjon Milli, trabalhando no mural do hotel Terrace Plaza em Cincinnati[/caption] [caption id="attachment_2937" align="alignnone" width="300"]Mural do Terrace Plaza Cincinnati, foto publicada na revista Architecture Review em 1948 Mural do Terrace Plaza Cincinnati, foto publicada na revista Architecture Review em 1948[/caption]

Como o método se provou imperfeito, Steinberg providenciou para o próximo trabalho, feito naquele mesmo ano, um estúdio alugado de seu amigo fotógrafo Gjon Mili, e fez oito pinturas a óleo sobre lona. A obra foi criada para a sala de jantar do Terrace Plaza Hotel, em Cincinnati, Ohio. Um artigo sobre este projeto de Skidmore,Owings & Merrill, publicado na revista The Architectural Review em 1948, comentou a adequação do traço de Steinberg ao espaço da sala: “o (...) desenho de linha de Steinberg se ajusta muito bem ao comprido restaurante, onde qualquer coisa mais pesada poderia ser opressiva”. Apesar do esforço técnico e de estar mais satisfeito que no trabalho anterior, o desenhista se mostrou esgotado ao término do processo.

[caption id="attachment_2942" align="alignnone" width="437"]Detalhe de desenho para mural da American Export Lines, 1948 Detalhe de desenho para mural da American Export Lines, 1948[/caption]

Finalmente, em 1948, Steinberg chegou a uma solução apropriada: tratar o mural como uma página de publicação. Com o objetivo de criar uma série de murais de bar para os navios Four Aces da American Export Line, o cartunista cruzou o oceano e enviou de Paris uma quantidade de desenhos sobre a vida a bordo de um navio. Estes desenhos foram fotograficamente ampliados em vinil, cada qual sendo aplicado em um navio. Como resultado, quatro murais e quatro pagamentos, pelo esforço de um.

[caption id="attachment_2943" align="alignnone" width="424"]An exhibition for Modern Living, 1949. Detalhe do mural de Steinberg. An exhibition for Modern Living, 1949. Detalhe do mural de Steinberg.[/caption]

O artista empregou a mesma técnica em 1949, em um mural para a marcante mostra de design de interiores modernista de Alexander Girard, An Exhibition for Modern Living. Imagens fotográficas gigantes de seus desenhos, retocadas com cor segundo suas especificações, mostravam uma cidade em vistas fragmentadas, em interiores repletos de produtos da vida moderna como tostadeiras aerodinâmicas. Instalada no The Detroid Institute of Arts e no J.L. Hudson Department Store, e expondo dentre seus duzentos participantes trabalhos como os de Charles e Ray Eames, Florence Knoll, Alexander Calder e Mark Tobey, Steinberg comentava seu papel com humor: “Os arquitetos estão mostrando as coisas boas que têm feito (em sua opinião) nos últimos vinte anos. E eu mostro...as coisas horríveis ou idiotas que têm sido feitas”. Joel Smith considera, no livro Illuminations – Saul Steinberg, que a mostra serviu para reforçar a imagem de Steinberg no contexto do modernismo: “A exibição, para a qual Steinberg aceitou um pagamento simbólico, selou sua identidade nos círculos do design e arquitetura como o desenhista-laureado do modernismo”.

[caption id="attachment_2944" align="alignnone" width="300"]O labirinto da décima Trienal de Milão, 1954. O labirinto da décima Trienal de Milão, 1954.[/caption] [caption id="attachment_2945" align="alignnone" width="300"]Móbile de Calder no centro do labirinto de Milão Móbile de Calder no centro do labirinto de Milão[/caption] [caption id="attachment_2946" align="alignnone" width="600"]Fragmento de "The Line", um dos desenhos que compõem o mural do labirinto de Milão, 1954 Fragmento de "The Line", um dos desenhos que compõem o mural do labirinto de Milão, 1954[/caption]

Cinco anos depois, Saul realizou o seu mais ambicioso mural, para uma exposição de arquitetura e design, a 10th Trienal de Milão. Os desenhos de Steinberg compuseram as paredes do um labirinto para crianças idealizado pela firma BBPR (Belgiojoso, Peressutti e Rogers). Eram seis muros abertos, sem cobertura, que configuravam uma formação semelhante à de um trevo de três folhas - com um Calder disposto no meio -, situadas em um jardim ao lado do Palazzo dell´Arte de Milão. Steinberg realizou os desenhos em longos rolos de papel, imaginando situações para serem dispostas nas três folhas. Como observa Smith, "cada desenho era ampliado para um papel na escala dos muros, e então repousado sobre uma camada fresca de argamassa úmida nas paredes. Os artesãos, em uma técnica conhecida como sgraffito, gravaram os desenhos e tiraram o papel”. Steinberg, então, improvisava desenhando sobre as imagens gravadas no muro, acrescentando elementos como a torre do castello Sforzesco, visível daquela posição. A relação do labirinto com o parque à sua volta foi explorada também quando, “em um ponto, um par de deliciosas sereias steinbergnianas parecem ter uma contraparte, de ferro fundido do século dezenove, em uma ponte vista através de um vão ladeado por elas”, segundo artigo de Ian McCallum publicado na Architecture Review em 1954. Este trabalho foi atração e teve ótima recepção de público – adultos e crianças –, agradando mesmo os céticos do design contemporâneo.

[caption id="attachment_2947" align="alignnone" width="234"]Steinberg trabalhando no mural "The Americans", exposto no pavilhão americano da Feira Mundial de Bruxelas em 1958 Steinberg trabalhando no mural "The Americans", exposto no pavilhão americano da Feira Mundial de Bruxelas em 1958[/caption] [caption id="attachment_2948" align="alignnone" width="600"]The Americans. The Road – South and West”, 1958 The Americans. The Road – South and West”, 1958[/caption] [caption id="attachment_2949" align="alignnone" width="600"]The Americans. Cocktail Party, 1958 The Americans. Cocktail Party, 1958[/caption]

Quatro anos depois, em 1958, Steinberg fez o mural The Americans, para a Feira Mundial de Bruxelas. No livro Illuminations, Joel Smith descreve as peculiaridades do trabalho: seções do mural foram montadas em um grupo de paredes auto-portantes no andar aberto do pavilhão americano. Antes de chegar a Bruxelas, Steinberg enviou uns quinze desenhos em linha, feitos em caneta e tinta, de arquétipos das paisagens americanas. Estas cenas provinham de anotações visuais feitas pelo artista em suas muitas viagens pelo país. Fotograficamente aumentadas a aproximadamente 10 pés de altura, as cenas foram colocadas juntas para produzir paisagens, cada uma assumindo uma faceta da “América” segundo a imaginação que a Europa tinha dela: A Estrada, Rua Principal – Cidade Pequena; Centro da Cidade – Grande Cidade; Farmácia; Coquetel; Beisebol; e, em uma simplificada fusão de Estados de clima quente, Califórnia, Flórida, e Texas. Estas serviram como panos de fundo para um elenco de personagens de papel craft criados por Steinberg e sobrepostos no próprio local. Segundo Smith, os “americanos” representados no painel – de face inexpressiva, com camisetas e óculos -, eram moralmente e culturalmente tão próximos da vida real que havia a esperança do diretor de arte do pavilhão para uma “considerável controvérsia”. The Americans se tornou um dos murais de maior expressão de Saul Steinberg, com uma diversidade plástica caracterizada pelas inusitados contornos e formas das figuras humanas sobrepostas ao seu traço mais conhecido de cartunista e mestre da linha fina. O uso de papel craft viria a ser explorado nas inúmeras experimentações com máscaras que passaram a ser feitas a partir de 1959. Anos depois, em 1966, Steinberg recorreu ao material no painel da exposição Le Masque, desenhando diversas situações do mundo das artes. Tanto nesse como em murais anteriores, o artista deixou evidente seu talento na ocupação de grandes superficies com desenhos de envolvente continuidade, tais como a linha ambígua e em permanente transformação de The Line, exposta na obra de Milão.

[caption id="attachment_2951" align="alignnone" width="600"]Steinberg e o mural Le Masque, Galeria Maeght, Paris, 1966 Steinberg e o mural Le Masque, Galeria Maeght, Paris, 1966[/caption] ________________________________________________________________________________________________________________________________

Daniel Bueno (1974) é ilustrador, artista gráfico e quadrinista, formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Recebeu vários prêmios como a Menção Honrosa na Feira do Livro Infantil de Bolonha (Itália, 2011) e o Prêmio Jabuti. Em 2007 concluiu sua dissertação de mestrado sobre Saul Steinberg na Universidade de São Paulo. http://www.buenozine.com.br

  [post_title] => Os murais de Steinberg [post_excerpt] => [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => os-murais-de-steinberg [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2014-02-12 23:09:48 [post_modified_gmt] => 2014-02-13 01:09:48 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=2933 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) ) [post] => WP_Post Object ( [ID] => 7864 [post_author] => 20 [post_date] => 2015-05-12 02:52:08 [post_date_gmt] => 2015-05-12 05:52:08 [post_content] => BUENO-CURSO
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ O QUE: Curso sobre a crônica gráfica de Saul Steinberg, por Daniel Bueno QUANDO: 19 e 26 de maio; 2 e 9 de junho (terças, das 20h00 às 22h00) ONDE:  
Centro Universitário Maria Antonia USP rua maria antonia 258 e 294 · vila buarque são paulo · sp · 01222 010 · 11 3123 5200
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Daniel Bueno (1974) é ilustrador, artista gráfico e quadrinista, formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Recebeu vários prêmios como a Menção Honrosa na Feira do Livro Infantil de Bolonha (Itália, 2011) e o Prêmio Jabuti. Em 2007 concluiu sua dissertação de mestrado sobre Saul Steinberg na Universidade de São Paulo. http://www.buenozine.com.br

[post_title] => A crônica gráfica de Saul Steinberg [post_excerpt] => O associado da SIB Daniel Bueno ministra curso sobre as fases do desenho de Steinberg, em maio e junho, no Centro Cultural Maria Antonia, em São Paulo, SP. [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => a-cronica-grafica-de-saul-steinberg [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2015-05-12 03:01:01 [post_modified_gmt] => 2015-05-12 06:01:01 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://sib.org.br/?p=7864 [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) )

A crônica gráfica de Saul Steinberg

O associado da SIB Daniel Bueno ministra curso sobre as fases do desenho de Steinberg, em maio e junho, no Centro Cultural Maria Antonia, em São Paulo, SP.

Latin American Ilustración 3

Os associados da SIB Daniel Bueno, Kako e Walter Vasconcelos, entre outros brasileiros, selecionados pelo AI-AP: American Illustration – American Photography 2014.

Acrobatas das formas

Exposição coletiva de ilustradores brasileiros, de 03/07 a 31/08/2014, na International Children’s Bookshop Mundo Azul, em Berlim, Alemanha.

Miguel Covarrubias e Andrés Guevara: o cubismo na ilustração

Conheci o trabalho do mexicano Miguel Covarrubias e do paraguaio Andrés Guevara por volta de 2007, quando minhas ilustrações já tinham um estilo definido, caracterizado pelas formas geométricas,…

Steinberg: os portfólios na New Yorker

Inspirados “portfólios” urbanos, feitos para a revista New Yorker. Deliciem-se!

Os murais de Steinberg

O artista Saul Steinberg, tão conhecido pelos desenhos e cartuns para a revista The New Yorker, fez alguns significativos murais ao longo de sua carreira. Sua produção foi…