SIBSIB

Jayme Leão morre aos 68 anos

O artista gráfico pernambucano Jayme Leão, mais conhecido pelas capas que ilustrou entre os anos 1970 e 1980 para a coleção infantojuvenil Vagalume, da editora Ática, morreu nesta segunda (10), aos 68 anos, em São Paulo, vítima de complicações decorrentes de uma insuficiência renal.
Leão vinha se recuperando de uma cirurgia neurológica pela qual passara no final de janeiro, após sofrer um traumatismo craniano devido a uma queda na escada de casa, no bairro do Mandaqui (zona norte de São Paulo).

Na ocasião, perdeu parte da memória, mas já vinha reconhecendo parentes e conseguindo ler quando, há uma semana, apresentou um quadro de desidratação e voltou da clínica de recuperação onde estava para o hospital Mandaqui.

LEAO Nascido no Recife, em 18 de março de 1945, mudou-se para o Rio na infância e, na juventude, instalou-se em São Paulo. Autodidata, tendo cursado apenas a escola primária, começou a trabalhar aos 15 anos para o jornal carioca “Liga”, pertencente às Ligas Camponesas.

Com o início da ditadura, passou a trabalhar como alfaiate e começou a ilustrar para a editora Brasil América, produzindo HQs. Em pouco tempo aproximou-se da publicidade, área na qual atuou por vários anos —abandonou a carreira por não suportar a ideia de “ganhar dinheiro mentindo”, segundo sua filha Lídice Leão, jornalista.

CADAVER

IMPRENSA ALTERNATIVA

Em São Paulo, onde passou a viver em 1970 com a mulher Lídice, fez ilustrações para a imprensa alternativa, para veículos como “O Pasquim” e “Opinião”, tendo ajudado a fundar o jornal “Movimento”. Foi preso várias vezes e chegou a viver com a família no Chile. Em meados dos anos 1970, passou a ilustrar para veículos como a “IstoÉ”, a “Veja”, a Folha e o “Estado de S. Paulo”.

Trabalhou por 12 anos na editora Ática, como ilustrador e editor de arte. Dessa fase, ficaram conhecidas suas capas de livros paradidáticos, especialmente as da coleção Vagalume, da qual era um dos principais ilustradores.

São dele, entre outras, quase todas as capas dos volumes assinados por Marcos Rey na série, como “Mistério do Cinco Estrelas” e “Um Cadáver Ouve Rádio”. Fez também capas de livros adultos, como “Malaguetas, Perus e Bacanaço”, de João Antônio.

Seu corpo foi enterrado nesta terça no cemitério Parque da Cantareira (zona norte). O artista deixa sete filhos, sete netos e um bisneto.

a-capa-de-o-misterio-do-cinco-estrelas-da-colecao-vagalume-1394557996468_400x600

……………………………………………………….

Fonte: Folha de São Paulo

11/03/2017

Comments are closed.

SIB NEWS

Alexandre Rampazzo e Mauricio Negro convidam para o bate-papo e autógrafos dos respectivos lançamentos no sábado, 18/11, às 17h00, na 5º edição da Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra, na Faculdade Zumbi dos Palmares, na capital paulista. Às 14h00 Negro também participa da mesa “Depois que o Samba é Samba” com Paulo Lins, Martinho da Vila, João Batista de Medeiros Vargens e Duca Rachid, com mediação de Chiquinho de Assis. Compareça!


Exposição de artes gráficas na programação oficial do CEDHU Piracicaba. Artistas brasileiras e estrangeiras mostram suas produções no âmbito das comemorações e reflexões do Dia Internacional da Mulher. Inscrições abertas!


Que tal desenhar, escrever e um pouco mais enquanto se encanta pela paisagem da Chapada Diamantina? Confira aqui e veja como participar dessa rara experiência!


International Art Award com uma grande exposição no Arsenal de Veneza, IT. Painting, Sculpture and Installation, Virtual Art, Photographic Art, Digital Graphics, Video Art, Short Films, Performance, Land Art, Urban Art, e uma seção especial para Sustainable Art. Inscrições abertas até 18/12. Saiba como se inscrever aqui!


Os humoristas gráficos devem enviar os seus trabalhos até dezembro de 2017. Confira aqui o regulamento e participe!


ver todos