SIBSIB

FLIP 2015: Mário de Andrade

A organização da edição 2015 da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) anunciou na terça-feira, (03/02) os autores convidados da Flipinha, cuja programação é voltada ao público infantil e admiradores de livros ilustrados. Entres os catorze autores convidados, figuram artistas visuais como o associado da SIB Odilon Moraes, Simone Matias e Rita Carelli. A 13ª edição da Flip acontece entre os dias 1º e 5 de julho. O autor homenageado será Mário de Andrade, que será tema de conversas tanto na FLIP quanto na Flipinha. Odilon Moraes é o ilustrador do livro Será o Benedito!, de Mário de Andrade, lançado pela Cosac Naify.

Odilon Moraes

Novidades

A nova edição manterá a gratuidade no show de abertura e nos telões externos. Em parceria com o British Council, será realizado um intercâmbio de residências literárias para tradutores do Brasil e do Reino Unido em início de carreira, com até cinco traduções publicadas. O tradutor brasileiro selecionado passará três semanas na Inglaterra, em Norwich. Poderá também participar de debates e fazer contatos profissionais na London Book Fair, em abril. Por sua vez, o tradutor britânico passará três semanas no Brasil, em Paraty, entre junho e julho.

Mesma curadoria

O curador da festa é o jornalista e editor Paulo Werneck., que cuidou da edição de 2014, marcada pela participação de humoristas e de convidados que não escritores. O evento, naquela ocasião, foi encerrado com um manifesto do líder ianonâmi Davi Kopenawa. Nesta nova edição, o registro nativo permanece, tanto pela contribuição literária de Mário de Andrade quanto pela presença de autores cuja produção está, em menor ou maior frequência, relacionada às temáticas indígenas, tais como Rita Carelli, organizadora da coleção Um dia na aldeia (Cosac Naify); Claudio Fragata, autor do recente O Tupi que você fala (Globo Livros) e o escritor saterê-mawé Tiago Hakiy que lança Iwaipoáb, o verdadeiro encontro de amor (Edebe Editora), dois títulos ilustrados pelo associado da SIB Mauricio Negro.

Sobre os planos para a próxima Flip, Werneck afirmou, por meio de nota que “em 2014, a Flip se  abriu, ao mesmo tempo, para a cidade e para o público que estava fora de Paraty”. E antecipou: “Esse é um movimento sem volta. Em 2015, vamos conservar esse espírito livre e afetuoso que é a marca dos grandes momentos de todas as Flips”.

Veja, abaixo, a lista de convidados da Flipinha e os perfis divulgados pela organização:

Alessandra Pontes Roscoe
Mineira, moradora do Distrito Federal, teve seu primeiro conto publicado, aos nove anos, numa antologia poética organizada pela Fundação Educacional do DF. Possui 25 livros publicados, entre eles “Histórias pra boi casar” e “JK, o lobo-guará”. Em 2013, foi finalista do Prêmio Jabuti e coordenou o Festival Itinerante de leitura que percorreu 20 Regiões administrativas do DF.

Claudio Fragata
Paulista de Marília, foi jornalista e editor antes de se dedicar integralmente à literatura. Passou parte da infância como menino de apartamento em São Paulo, onde seus companheiros eram os livros e o seriado “Sítio do Pica-pau Amarelo”, baseado na obra de Monteiro Lobato. Autor dos livros “Alfabeto escalafobético” (Jujuba) e “A princesinha boca-suja” (Ática/Scipione).

Dilan Camargo
Gaúcho, publicou, em cerca de 30 anos de carreira, mais de 20 livros de poemas e contos infantis, juvenis e adultos, além de peças teatrais e letras de canções. Vencedor de prêmios em literatura e música, com longo histórico de publicações em jornais e participações em feiras de livro, Dilan é também um dos fundadores da Associação Gaúcha de Escritores e apresenta um programa de entrevistas em uma TV pública gaúcha.

Diléa Frate
Paulista, é jornalista e escritora. Foi diretora e redatora do Programa do Jô durante 20 anos. Publicou sete livros infantis. “Procura-se Hugo” (Ediouro) virou peça de teatro. Um de seus últimos livros, “A menina que carregou o mar nas costas” (Nova Fronteira) acaba de ser transformado em um curta-metragem dirigido e roteirizado por ela. Foi premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte e recebeu a menção honrosa da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Criadora do programa Tv Piá, eleito pelo júri infantil do Festival Comkids Iberoamericano como o melhor programa infantil de não ficção para crianças de 7 a 11 anos.

João Anzanello Carrascoza
Paulista, é graduado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de São Paulo (USP), onde é professor desde 1993. Em 2013, concluiu, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sua pesquisa de pós-doutorado sobre a interface entre a publicidade e a literatura. É autor de contos e romances, além de obras para crianças e jovens. Possui mais de 30 livros publicados, que lhe valeram alguns dos mais importantes prêmios literários do país: Jabuti, Guimarães Rosa/Radio France Internationale, Fundação Biblioteca Nacional, Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil e APCA. Escreveu para o público infantil as obras “Prendedor de sonhos” (Ática/ Scipione), “Ladrões de histórias” (Formato/ Saraiva) e “O homem que lia as pessoas” (Edições SM).

Luciana Sandroni
Carioca, formou-se em letras e fez mestrado em comunicação e semiótica. Autora de vários livros infantis e juvenis premiados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Luciana também recebeu o Prêmio Jabuti de Melhor Livro Infantil por Minhas Memórias de Lobato, e indicação para a lista de honra do Ibby, International Board on Books for Young People. Autora da biografia “O Mário que não era de Andrade” (Companhia das Letrinhas).

Luiz Ruffato
Trabalhou em diversos jornais até que, em 2003, abandonou a carreira de jornalista para se tornar escritor em tempo integral. Tem treze livros publicados, entre romances, ensaios e coletâneas de poemas. Seus livros já receberam traduções para o alemão, o finlandês, o inglês, o espanhol, o francês e o italiano. Escreve semanalmente para o “El Pais Brasil”. Tem dois livros infantis publicados: “A história verdadeira do sapo Luiz” (DSOP) e “e mim já nem se lembra” (Moderna/ Salamandra).

Odilon Moraes
Paulista, cursou arquitetura, mas sua paixão por livros e desenhos (bem como uma boa dose de acasos) o levou a trabalhar com ilustração de livros. Recebeu prêmios como o Jabuti e o Adolfo Aizen, da União Brasileira de Escritores. Hoje, Odilon divide suas atividades entre a produção e os cursos que ministra no Instituto Tomie Ohtake e em outras instituições. Ilustrador dos livros “Será o Benedito!” (Cosac Naify, 2008), a partir da obra de Mário de Andrade, e “Germinal”, de Émile Zola.

Ondjaki
Ondjaki é africano de Luanda. Prosador, poeta e roteirista de cinema. É membro da União dos Escritores Angolanos e da Associação Protectora do Anonimato dos Gambuzinos. Seus livros foram traduzidos para diversos idiomas, como espanhol, italiano, alemão, inglês, sérvio, sueco e polaco. Publicou os livros “O voo do golfinho” (Companhia das Letrinhas) e “Uma escuridão bonita” (Pallas), entre outros.

Rita Carelli
Paulista, é escritora e ilustradora, além de atriz e cineasta. Viveu parte de sua infância entre aldeias de índios, acompanhando seus pais em filmagens e pesquisas. Seus livros são uma forma de compartilhar com as crianças não indígenas e suas famílias as alegrias e dificuldades das crianças indígenas do Brasil. Autora da coleção “Um dia na aldeia” (Cosac Naify).

Simone Matias
Formada em jornalismo, estudou desenho e pintura nos EUA, no Brasil e na Itália. É ilustradora e professora de desenho, pintura e ilustração. Lançou seu primeiro livro em 2006 e hoje tem mais de 40 livros publicados. Fez ilustrações para a “Folha de S.Paulo”, “Folhinha” e para a revista “Crescer”.

Stella Maris Rezende
Mineira, Stella Maris Rezende é mestre em Literatura Brasileira, escritora, dramaturga, artista plástica, cantora e atriz. Publicou romances, novelas, crônicas, contos e poemas, para o público adulto, juvenil e infantil. Recebeu prêmios importantes, entre eles o Prêmio Nacional de Literatura João-de-Barro, o Jabuti e o Prêmio Barco a Vapor/Fundação SM.

Tiago Hakiy
Amazonense, descende do povo sateré-mawé. Poeta, escritor e contador de histórias tradicionais indígenas. É autor de vários livros sobre a temática, voltados para o público infantil, como “CurumimZice” (Leya) e “Guaynê derrota a cobra grande” (Autêntica). Em 2012, foi vencedor do Concurso Tamoios de Textos de Escritores Indígenas. Formado em Biblioteconomia pela UFAM (Universidade Federal do Amazonas), mora no coração denso da floresta amazônica.

Tino Freitas
Cearense, morador de Brasília, é um artista múltiplo: escritor, músico, jornalista, e também mediador de leitura do projeto Roedores de Livros, que, desde 2006, desperta o prazer de ler junto a crianças no entorno de Brasília. Seus livros já estiveram entre os finalistas do Prêmio Jabuti de Literatura Infantil (2011, 2013 e 2014) e ganharam o Selo Altamente Recomendável para Crianças pela FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil). Entre suas obras estão “Os invisíveis” (Casa da Palavra) e “Três porquinhos de porcelana” (Melhoramentos).

Comments are closed.

SIB NEWS

De 21 a 28 de Junho de 2017, no Centro de Convenções SulAmérica/Salão Nobre, Centro, Rio de Janeiro, RJ.


Muito em breve no Espaço Cultural Lago de Histórias, Urca, no Rio de Janeiro -RJ. Reserve a sua vaga para as oficinas e compareça aos lançamentos!


Para ilustradores, artistas plásticos e gráficos, estudantes, professores, arte-educadores e interessados em literatura para crianças e jovens. De 31/05 a 2/06, das 19h às 22h, no Espaço das Três, na capital paulista. Inscrições abertas até 29/05!


A autora e ilustradora brasileira foi premiada na categoria Purple Island, do Nami Concours 2017, pelo livro Sem fim (Positivo). Parabéns pela conquista!


A entrega dos certificados será durante a cerimônia de abertura do 19º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens, em 21/06, no Rio de Janeiro. Parabéns a todos!


ver todos